Viva a Vida.

Pessoas felizes não correm atrás da felicidade, elas vivem a felicidade. Nada no mundo torna a felicidade inalcançável quanto ao esforço de tentar encontrá-la ou estar atrás dela. Cada função normal da vida tem alguma dose de felicidade e ao usarmos os nossos próprios meios, podemos nos tornar uma pessoa feliz que sabe simplesmente viver... Mensagens, reflexões, autoconhecimento e autoajuda.


Gaslighting, um abuso psicológico que pode afetar sua sanidade


Quando falamos em abuso, geralmente pensamos em violência física e verbal. Mas há um tipo de abuso mais sutil que passa despercebido pela maioria daqueles que o sofrem. O propósito do agressor é fazer com que a vítima duvide da própria memória, percepção e sanidade.

Extremamente prejudicial, o Gaslighting é uma silenciosa forma de agressão, que pode ser praticada por qualquer pessoa de convívio próximo e pelos mais variados motivos. O termo surgiu de uma peça teatral, Gas Light de 1938, que anos depois virou filme.

O filme conta a história de um homem que manipulava sua mulher, tentando convencê-la e a outras pessoas, de que ela estava ficando louca. Ele fazia pequenas alterações no ambiente da casa e, quando ela apontava tais mudanças, ele dizia que sempre estiveram daquele jeito, que sua lembrança estava incorreta.

O título do filme faz referência ao enfraquecimento da luz da casa, que era alimentada por gás. Quando o marido ligava as luzes do sótão para procurar algo e a mulher percebia que a claridade diminuía, ele dizia que era apenas sua imaginação. O propósito do homem era enlouquecer a mulher para ficar com sua fortuna.

A partir de 1960, o termo passou a ser usado para se referir à manipulação dos sentidos de alguma pessoa, com um único objetivo: enlouquecer a pessoa ou fazê-la pensar que está louca e assim se favorecer de alguma forma. Entre os vários motivos há alguns de destaque:

1. Esconder uma traição: Para negar uma traição, o abusador pode tentar convencer sua mulher de que ela imaginou uma cena ou uma conversa, que ela ouviu errado ou que ela leu errado ou interpretou mal uma mensagem.

2. Encobrir outros abusos: O abusador procura principalmente minimizar suas ações e culpa a vítima pelo abuso sofrido. Inclusive o abusador tenta convencer a vítima e a outras pessoas de que ele é a vítima.

3. Negar algum delito ou crime: Quando é pego cometendo algum delito ou crime, o abusador tenta convencer a quem o descobriu pensar que viu errado e que está sendo injustiçado ao ser acusado de algum fato.

4. Menosprezo pela capacidade de alguém: Cometido em vários ambientes, inclusive no ambiente de trabalho, o abuso pode ser praticado por um chefe que se nega a dar aumento a um funcionário capacitado, fazendo-o duvidar de sua competência, mesmo quando há indicações contrárias. Mas também pode ser feito através de um comentário: "~Isso é muito difícil; você não vai aprender"...

5. Gerar submissão: Para dominar, o manipulador faz com que sua vítima acredite, entre outras coisas, que ela perdeu o discernimento e não tem condições de tomar decisões sozinha.

6. Para evitar o abandono: Geralmente quando um abusador se sente ameaçado de abandono, ele manipula o ambiente, as conversas, as mensagens e tudo mais, não apenas para fazer com que sua vítima não confie mais em si mesma, mas para fazer com que outras pessoas acreditem que sua vítima está desorientada e que precisa de alguém que lhe dedique atenção e tome conta dela.

Há várias outras razões que levam alguém a manipular suas vítimas. Para identificar um abusador basta prestar atenção em suas atitudes. Geralmente o agressor evita confrontos diretos. Ele não admite suas falhas, defeitos e está sempre disposto a proteger sua imagem. Aliás, fica indignado se for acusado de algo ou se alguém questionar a sua integridade.

Ao ser confrontado, o abusador sempre nega suas falhas. Se não nega, tenta distorcer a verdade dos fatos e atribui a outras pessoas a culpa por qualquer acontecimento. Dessa forma, o abusador tenta confundir as outras pessoas; Em um último caso, desvaloriza a percepção dos outros sobre o assunto.

E como saber se estamos sendo vítimas de Gaslighting?

Há vários sinais que podem confirmar essa condição. Nunca é um fato isolado, mas uma série de fatos. Se você ouve com frequência frases como “Isso é coisa da sua cabeça”, “Você está imaginando coisas”, “Você está enlouquecendo”, “Você anda sensível demais”; fique atenta.

Se você não se sente feliz, apesar de tudo estar aparentemente bem, se você vem se questionando quanto às suas próprias reações, se acha que está exagerando, se acha que está sendo emotiva demais; fique atenta.

Se tem sentido medo de errar ao tomar decisões sozinha, se você está duvidando da sua boa capacidade naquilo que faz, apesar de tudo indicar que sim; fique atenta.

Se você se sente constantemente confusa sobre si mesma e desorientada sobre os acontecimentos, se você se sente culpada pelos problemas da relação; fique atenta.

Se você se desculpa o tempo todo para seu companheiro ou fica justificando as ações dele perante sua família e amigos, com certeza você está sendo vítima de Gaslighting. Se você se identifica com qualquer um dos sinais acima, reaja. Procure ajuda urgente.

Consulte com um psicoterapeuta que possa lhe ajudar a analisar a sua situação. Não deixe que sua autoestima, sua autoconfiança e seu amor-próprio sejam destruídos.

Você merece ser feliz!

Por RoCarvalho.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo