Nossa amiga Sombra. Parte 1


Category: Jung e a Psicologia Analítica.

Tags: Complexo, inimigo, Jung, mau, projeção, sombra.

A sombra é um dos conceitos mas importantes da teoria junguiana, ou seja, de Carl Gustav Jung responsável por desenvolver a linha psicológica que conhecemos como Psicologia Analítica, Psicologia Complexa, sim vários nomes para uma mesma teoria, o que mostra e qualifica a sua diversidade de entendimentos.

A sombra é um dos conceitos centrais presentes em praticamente todas as formas de se compreender a psicologia de Jung, mas, novamente, cada forma tem uma maneira diferente de compreende-la. Vamos a uma delas.

A sombra é a parte mais escura da nossa psique (psique não é mente e são dois conceitos diferentes, aliás, não acredito em mente). Ela recebe tudo aquilo que nós não aceitamos como parte de nossa personalidade ou identidade ou Ego, chamado de "Complexo do Eu".

Darei uma breve explicação sobre o que é Complexo:

Complexo Ideo-Afetivo é uma associação de ideias e afetos em torno de um núcleo temático comum. Então, o Complexo do Ego são todas as ideias e afetos (experiências, sonos, memórias, desejos, aspirações, traumas, etc) que relaciono com aquilo que chamo de "EU". Da mesma forma, a sombra é um complexo e ela reúne tudo aquilo que chamo de "não-eu". Bem fácil, não?

O mais complicado de tudo isso é percebermos a sombra. Como toda boa sombra, ela está sempre atrás de nós (se estivermos olhando para a fonte da luz) e é muito difícil sentir ela chegando. Bem, quando estamos no escuro, aí mesmo é que não a enxergamos. E somente percebemos a sombra quando ela está projetada em algo. Aqui, projeção é um conceito chave para se compreender tudo isso. Preste atenção: Tudo o que nos é inconsciente (e a sombra se inclui nisso é lógico), só nos é percebida quando é projetada. E o que isso quer dizer?

Quando eu olho para algo e reconheço que isso é diferente de mim, eu estou projetando nela a minha sombra. Principalmente se além de reconhecer a diferença eu coloco repulsa ou algo que me separe ainda mais disso.

Como a sombra reúne tudo o que reconheço inconscientemente como sendo Não Eu, no mundo se torna projeção da minha sombra. Em outras palavras, quando eu vejo isso, eu estou vendo no outro o que reconheço como Não-Eu em mim mesmo.

O mecanismo pode parecer complicado, mas basicamente funciona assim: Como eu não reconheço em mim determinada característica, então eu reprimo isso, que fica inconsciente. Mas isso não fica esquecido, mas sim jogado no mundo, no outro, que é visto portando isso que eu não reconheço, a questão, o problema está nele e não em mim, isso é minha sombra. Eu posso até conscientizar isso, mas não internalizo como sendo Eu.

Segue na parte 2.....


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo